O Sétimo Juramento, de Paulina Chiziane

    0
    13
    Editions:PDF (Portuguese)

    O último romance da moçambicana Paulina Chiziane, O sétimo juramento, retoma algumas preocupações que têm marcado a obra desta romancista moçambicana: a encenação quotidiana do feminino. Com este edifício sociocultural como pano de fundo, o romance focaliza o ritual de iniciação de uma personagem masculina, David, que,para ascender ao poder político, consolidado o poder econômico, recorre à feitiçaria, ao poder de um nynaga, que lhe exige, em troca, o quetem de mais precioso: a família. É aqui que as mulheres têm um papel fundamental: de simples objeto de prazer e de troca, elas se unem e se tornam sujeitos do processo, revertendo-o apesar de duas não terem logrado sobreviver. Portanto desta vez, para além da deslocação da cena para o mundo urbano do poder político e socioeconômico, o romance, embora revelando os meandros que determinam a vida da mulher mesmo numa sociedade urbana, diz também do conhecimento feminino sobre estratégias para contornar o peso da condição subalterna.

    SOBRE O(a) AUTOR(a)

    Paulina Chiziane nasceu em Manjacaze, Moçambique, em 1955. Estudou Linguística em Maputo, mas não concluiu o curso. Atualmente vive e trabalha na Zambézia. Ficcionista, publicou vários contos na imprensa (Domingo, na «Página Literária», e na revista Tempo). Publicou o seu primeiro romance, Balada de Amor ao Vento, depois da independência (1990), que é também o primeiro romance de uma mulher moçambicana. Ventos do Apocalipse, concluído em 1991, saiu em Maputo em 1995 como edição da autora e foi publicado pela Caminho em 1999. O Sétimo Juramento e Niketche foram publicados em Portugal em 2000 e 2002, respetivamente. Afirma: «Dizem que sou romancista e que fui a primeira mulher moçambicana a escrever um romance, mas eu afirmo: sou contadora de estórias e não romancista. Escrevo livros com muitas estórias, estórias grandes e pequenas. Inspiro-me nos contos à volta da fogueira, minha primeira escola de arte.».

    Em 2014, foi agraciada pelo Estado português com o grau de Grande Oficial da Ordem Infante D. Henrique. Em 2021, recebeu o mais prestigiado galardão das letras lusófonas, o Prémio Camões.

    Leave A Reply

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui